domingo, 18 de abril de 2010

faltas-me



Falta-me a metade que falta

A metade do arpegio, acorde incompleto

Falta-me a metade da outra falta

Metade dum sonho sonhado a dois que um se perdeu

Falta-me metade do que falta a uma metade

Faltas-me tu

Um tu incógnito que preenche um vago no meu coração

Um arco de violeta no jardim luado de branco

Jasmim, metade do aroma da tarde

Faltas-me, faltas-me sempre

Sempre que a cor do amanhecer acontece

Desaparece a noite, tu

Que me despertas do sono amanhecido tarde,

De um sonho sempre acordado,

É onde me falta essa metade,

Metade que és tu.

2 comentários:

Anónimo disse...

TOUCHING! Falta-nos sempre qualquer coisa mas a falta dos afectos leva-nos à falta de um bem essencial.
Energia vs Equilíbrio
Beijo

paladar da loucura disse...

sonho com a falta que falta me fazes/ sonho-me em ti pedaço de mim/sonho-me nua ao lado de ti/ abraça-me agora enquanto existo/ saudades de ti-que falta me fazes!